Translate translator 翻訳 Переводчик

Contador de visitas

contador de visitas

O merecido lugar ao sol

Com a passagem de mais um dia mundial da mulher que considero ser um dia sempre especial e que deveria ter grande relevo na nossa sociedade, este ano escondido pelo dia de Carnaval e que não deveria ficar esquecido. Por isso aqui deixo a minha homenagem a todas as mulheres, mesmo atrasada, para que acabem as desigualdades entre géneros, cessar a violência cobarde exercida no seio das próprias famílias, sem esquecer discriminação a que a maior parte está sujeita nos seus empregos e das maisa variadas formas.

Um beijo especial para todas as mulheres coragem deste mundo,esperando que todas as mulheres encontrem o seu merecido lugar ao sol por mais difícil e instável que possa parecer, como a foto documenta.



4 comentários:

Maria João disse...

Caro António

Na realidade, há ainda muito caminho a percorrer no sentido da justiça e da igualdade de direitos e oportunidades entre todos os Seres Humanos, independentemente do género, idade, religião, raça, condição social....
Mas, estando ainda longe do ideal, muitas e rápidas têm sido as mudanças nas últimas décadas que só aconteceram porque há as vozes de esperança quando se unem, são uma força inabalável.
É preciso continuar...

Um abraço e muito obrigada!

lidia-la escriba disse...

paso a saludate,y este ensayo ES MUY BELLO!
gracias por compartir...cuando tu tiempo,lo permita...pasa por mi blog,seguidor!ahora tambien te sigo a vos..
un gran abrazo,enorme,un beso
lidia-la escriba
he leído que presentaste un libro!mucha suerte!

Dom Quixote (Thomaz) disse...

Amigo Antônio, estaremos postando hoje no "Passeando pelo cotidiano" uma poesia sua para comemorar o dia do poeta. Estava difícil selecionar uma única poesia, pois todas são muito boas.

VEREDAS, por Marluce disse...

António,


É grandioso todo o feito para mimar a mulher, para dar-lhe um lugar ao sol num texto lindo assim! Muito a mulher já conquistou, sabe-se que os grandes homens também ajudaram nessa luta de direitos iguais!


Um abraço, Marluce