translator 翻訳 Переводчик







Não vale adiar mais
Chegou a hora de partir


Leva na alma o sonho a esperança
Sonhar com um porto seguro
Levando sonhos de criança
Adiados recalcados
Chega!
É hora de partir ou vais continuar a adiar
Vai,
O vento sopra de feição
É preciso dizer não,
Parte sem hesitar
Parte à descoberta sozinho,
Iça a vela, enche o peito
Deixa tudo, larga os teus aliados
Que te prendem pela mão
A tua vida é um barco preso ao cais
E tu ficas ou vais
Larga as amarras as frustrações
Os projectos adiados
Aproveita o vento que sopra
Sente esse espírito aventureiro
Que está dentro do teu sangue
Irá levar-te adiante
Num passo pequeno mas grande
Vamos
Faz o trouxa, ruma a norte
Iça a vela num instante


Não vale adiar mais
Chegou a hora de partir




António Gallobar

11 comentários:

Anónimo disse...

Não vou adiar... Digo já: uma belo poema de despedida.
Sempre muita sensibilidade nas tuas palavras.
Um abraço António
João MC Santos

Dulcineia (Lília) disse...

Bem, este poema hoje é para mim, rs

Um barco com medo de água...
Obrigada!
Um resto de bom dia e amanhã, vemo-nos na tertúlia?
abraço
Lília
http://arco-irisdavida.blogspot.com/

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

António,

Toda despedida é triste, mas nesse seu poema, existe o incentivo,a força para uma mudança feliz.

Maravilhosa semana.

Rebeca

-

Dona Poesia disse...

Partir: sempre uma decisão difícil, mas, como vc mesmo disse, lá no meu blog, esse barquinho também pode , um dia, querer voltar. Cada caso é um caso.
Sem dúvida, se voltar, virá carregado de novas vivências e novos conhecimentos.

Um abraço poético para você.

Francisco disse...

Realmente, quando chega a hora de partir, não se deve adiar...
Mais um lindo texto e foto para encher de alegria o meu dia.
Obrigado, amigo!
Abraços

Lizzie disse...

São chegados os tempos em que a necessidade é sair do porto.

Um belo poema triste.

Abraços!
www.lizziepohlmann.com

Pico minha ilha disse...

Partir também pode ser uma nova chegada para algo melhor.Abraço

Adriana Godoy disse...

Partir é morrer-se um pouco...é buscar novos rumos, novos ventos...belo poema, Gallobar.

Delirius disse...

Olá António!
Gostei da tua visita. Gostei do teu comentário!
E..., gostei do teu poema. Gosto de poesia, imenso :-)))
Voltarei sempre que puder. Também te espero no meu canto.
Deixo-te um beijo e a promessa de que voltarei com mais tempo!
Delirius

Carmem disse...

Poesias vão muito além
Da rima e da métrica
Precisam da alma poética
E intensa razão de ser....

Muito bonito!

Beijo

Chris disse...

Um poema muito sentido e uma foto muito boa.
Boa conjugação entre texto e imagem.