translator 翻訳 Переводчик

A minha cidade

Esta foto é dedicada com amizade a todos os amigos do site de fotografias " olhares" em particular ao amigo Henrique Alfonso Triviño, pelo muito que tem dado a favor da cultura.



Monumento aos Heróis da Guerra Peninsular

“ Localiza-se no centro da conhecida Rotunda da Boavista designada por Praça de Mouzinho de Albuquerque , Porto, Portugal.

A Guerra Peninsular, assim designada, foi aquela que uniu os Portugueses, os Espanhóis e os Ingleses contra os exércitos da França, de Napoleão Bonaparte, na Península Ibérica, no período de 1808 a 1814.

Da autoria do arquitecto Marques da Silva e do escultor Alves de Sousa, projecto escolhido dentre os três melhores, esta obra levou alguns anos a ser concluída. Coube à Cooperativa dos Pedreiros o encargo de o erigir, sendo começado em 1909 e apenas inaugurado em 1951. Dada a morosidade do tempo de construção e a morte do escultor Alves de Sousa, ainda jovem (38 anos), a obra foi concluída sob a direcção dos escultores Henrique Moreira e Sousa Caldas.

Os artistas envolvidos na feitoria desta obra, tentaram transmitir o sacrifício e a vitória do povo portuense nesta guerra. É composta por um pedestal, de 45 m de altura, rodeado de grupos escultóricos, chegando mesmo, dois deles, a morder a base. Estes, representam cenas de artilharia em movimento, a intervenção das gentes do povo na luta e o desastre da «Ponte das Barcas». De notar a presença do elemento feminino em todos os grupos: no da frente, uma mulher, a Vitória guiando o povo, empunha, na mão esquerda, a bandeira nacional e, na direita, uma espada. Completa o conjunto uma alta coluna encimada por um leão (a vitória portuguesa) sobre uma águia que derruba (esta representa o império de Napoleão). Na base da figura tem figuras de soldados e cenas de factos ligados às guerras napoleónicas, em relevos esculpidos no granito. Duas datas, em bronze, como toda a escultura, podem ver-se em duas frentes da base da coluna: MDCCCVIII e MDCCCIX. Ainda no pedestal, estão apostas as armas da cidade.”

Texto retirado da Wikipédia

,

1 comentário:

Gi disse...

Parabens António pelo seu blog, pelo seu livro que vou tentar encontrar e obrigada pela dedicatória aos "olheiros" (eu tembem me considero um) e por fim ... muito bem dedicada a fotografia do Leão e Àguia ao Henrique Afonso Triviño, que é um ser humano raro nos nossos dias e um excelente fotografo!
BGinhos